O espirito e a alma humana

Alma… essa é uma das palavras mais vitais de qualquer vocabulário.

O nível de complexidade relacionado ao que se define por “alma” é tão grande que a sabedoria manda simplificar a fim de não confundir.

Hebreus 4:12-13 nos fala acerca da impossibilidade humana de destrinchar os conteúdos, os limites, as existências em-si-mesmas daquilo que os nossos vocábulos designam como mundo interior, e afirma que somente a Palavra de Deus pode fazer a separação entre tais ethos — tais coisas-em-si:

“Porque a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até a divisão de alma e espírito, e de juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. E não há criatura alguma encoberta diante dele; antes todas as coisas estão nuas e patentes aos olhos daquele a quem havemos de prestar contas”.

Toda tentativa de fazer “separação” que estabeleça “precisão” entre aquilo que nos constitui interiormente anda ainda longe de poder definir o quê é o quê em nós.

De fato, a interioridade humana pode ser discernida apenas, talvez, pelo próprio homem, ainda que sempre “em parte”. Mas jamais pode ser completamente explicada.

O ser é discernível, mas não é explicável em palavras.

O homem pode “examinar a si mesmo”, mas não consegue nem explicar e nem auto-definir sua própria constituição, nunca conhecendo bem as fronteiras e as intercomunicações de seu próprio interior.

A humanidade pode desenvolver uma Psicologia… O que ela não pode é pedir ao psicólogo que explique a si mesmo.

Quando se trata do “em-nós-mesmos”, a gente pode apenas pedir a benção de discernir… Explicar seria pura bobagem.

Paulo é o autor do Novo Testamento que mais “psicologiza” acerca da interioridade humana, mas não faz nenhum exercício de sistematização de coisa alguma a esse respeito.

 

O que interessa hoje, aqui, é olhar superficialmente como Paulo designa o termo psique e a que ele a relaciona.

Paulo emprega o termo psique apenas doze vezes. Em seis desses casos, o significado é vida:

 

Rm 11:3: “Senhor, mataram os teus profetas, e derribaram os teus altares; e só eu fiquei, e procuraram tirar-me a vida?”

Rm 16:4: “(…) os quais pela minha vida expuseram as suas cabeças; o que não só eu lhes agradeço, mas também todas as igrejas dos gentios”.

I Co 15:45: “Assim também está escrito: O primeiro homem, Adão, tornou-se alma vivente; o último Adão, espírito vivificante”.

II Co 1:23: “Ora, tomo a Deus por testemunha sobre a minha vida de que é para vos poupar que não fui mais a Corinto…”

Fp 2:30: “(…) porque pelo evangelho de Cristo (…) chegou até as portas da morte, arriscando a sua vida para suprir-me o que faltava do vosso serviço”.

I Tess 2:8: “Assim nós, sendo-vos tão afeiçoados, de boa vontade desejávamos comunicar-vos não somente o evangelho de Deus, mas ainda as nossas próprias almas; porquanto vos tornastes muito amados de nós”.

 

Dentre os quatro usos psíquicos —ou seja, psicológicos—, três indicam desejo:

Ef 6:6: “(…) não servindo somente à vista, como para agradar aos homens, mas como servos de Cristo, fazendo de coração a vontade de Deus”.

Fp 1:27: “(…) firmes num só espírito, combatendo juntamente com uma só alma pela fé do evangelho…”

Cl 3:23: “E tudo quanto fizerdes, fazei-o de coração, como ao Senhor, e não aos homens…”

 

Ainda designando o termo como algo psíquico, Paulo o usa a fim de também indicar emoção:

 

“E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo” (I Tess 5:23)

Os dois exemplos restantes retirados do uso que Paulo faz de “psique” são pessoais e designam o individuo, o ente perceptível, historicamente:

Rm 2:9: “(…) tribulação e angústia virão sobre a alma de todo homem que pratica o mal…”

Rm 13:1: “Toda alma —ou homem— esteja sujeita às autoridades superiores…”

 

Para designar o que há de mais superior na existência humana interior, Paulo usa o termo pneuma.

Assim, ele estabelece uma diferenciação de fontes vitais na interioridade humana.

Há o homem “almal” e há o homem “espiritual” — sendo que a primeira dimensão se vincula mais ao que existe como emoção, afeição, constituição de personalidade, influências culturais, e relacionamentos inter-pessoais, com todas as “trocas” que se transformam em “cumulações” e “heranças” derivadas do existir de todos os humanos.

Assim, o Homem Psychikos expressa a natureza humana em si mesma.

A segunda dimensão —a espiritual— expressa o nível de ser que transcende o imediato. É o transcendente no homem, e que é transcendente ao homem, sem deixar de ser o homem.

Desse modo Paulo fala do Homem Pneumatikos, que expressa o ser consciente e subordinado ao Espírito de Deus, pondo o próprio espírito humano como senhor de sua própria alma.

Assim, o espírito dos profetas está sujeito aos próprios profetas!

Paulo diz:

“Ora, o Homem Psychikos não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o Homem Pneumatikos discerne tudo muito bem, enquanto ele por ninguém é discernido” (I Co 2: 14,15).

Paulo, todavia, não esquizofreniza esses dois homens no Homem. Ele é um só, embora haja dimensões de um só que expressem conflito entre si.

Romanos 7 expressa essa luta interior melhor do que qualquer outra descrição bíblica.

Mas Paulo também emprega psique junto com pneuma, e faz isso numa visão integral da Graça de Deus operando na redenção do ser como um todo.

Em I Tess 5:23 ele descreve a materialidade e a imaterialidade humana —tanto a corporalidade como também a sua natureza em si; tanto a Psique-Imedita como a Psique-Transcendente— e não separa tais dimensões em nenhum momento. Ao contrário, ele toma as diferentes funções do interior humano e delas faz uma e a mesma coisas: o ser… e põe tudo o que nos constitui sob a Graça de Deus:

“E o próprio Deus de paz vos santifique completamente; e o vosso espírito, e alma e corpo sejam plenamente conservados irrepreensíveis para a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”.

Desse modo, eu tenho uma alma que é alma no espírito e um espírito que é espírito na alma.

A alma do espírito é ser espírito para a alma e o espírito da alma é ser alma para o espírito.

Bem-aventurados os que crescerem para alcançar não apenas esse entendimento, mas essa Vida.

Eu quero, Senhor!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s