Senhor

AMIZADE

ImagemE pensar que eu sempre falei sobre essas amizades falsas que ferem a alma – melhor seria se ferissem o corpo.

Eu sempre pensei – e continuo – que a verdadeira amizade é aquela que nos permite falar de defeitos, qualidades e o que mais vier a cabeça. Porque amizade de verdade é aquela que você fala o que vem a cabeça, e não se arrepende de nada dito – podem passar meses, anos.
Não existe maneira mais bonita que justificar uma amizade defendendo um amigo. Isso pra mim é nobre.
Mais nobre ainda é termos um amigo de valor.
Nunca acreditei em alguém que não se deleita na felicidade de um amigo, a amizade não está nesse relacionamento.
Esse negócio de fingir, tentar impressionar, ser outra pessoa não tá com nada, sabe? Gente que é gente gosta de ser do jeito que é.
Triste mesmo é ver uma amizade evaporar em meio a decepção. Aí resta aquela boa esperança que, se tudo vivido foi verdade, a amizade reaproxima. Mas não acredito muito nisso.
Pessoas feridas costumam mudar.
Eu, por exemplo, não mudo só as roupas, o cabelo e a barba. Eu mudo a cidade, o telefone e a caderneta de anotações.
É cansativo viver de memórias – prefiro deixar as memórias pra lá, pra haver mais espaços pra coisas novas.
Eu gosto de novidade – e isso não significa que agora estou sociável.
Também gosto da verdade. Antes uma dor sincera, que uma alegria falsa.
E nada mais me irrita que saber que a alegria que tive foi falsa.
Acho que é por isso que acabo sendo tão radical. Melhor assim.
Amizade, acima de tudo, é certeza. E quando você duvida, já não é mais amizade.
Eu acredito que o sentimento fica pela pessoa que te decepcionou, Mas… “Amores e pessoas complicadas fazem mal a saúde. Ainda que precisamos amar a todos.
A gente se afasta e a amizade esfria, congela e vira memória. Por que, como já dizia Immanuel Kant “a amizade é semelhante a um bom café, uma vez frio, não se aquece sem perder bastante do primeiro sabor”.
É melhor virar memória, poupar conversas desgastantes e dor.
Sem dor, sem lágrimas.

 

Anúncios

A IGREJA MODERNA E O EVANGÉLIO DE CRISTO.

A MELHOR IDEIA DE DEUS

A MELHOR IDEIA DE DEUS

“Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei” [Isaías 55.11].

Deparei-me com este versículo ao final de um texto que defendia a perspectiva de um mundo melhor no futuro, um mundo sempre a prosperar até o dia em que todos ou quase todos se converteriam a Cristo, no dizer de um teólogo. Como a referência é escatológica, e o meu objetivo não é estabelecer uma refutação à proposta de doutrina do fim dos tempos (até porque não estou habilitado a isso), mas, exclusivamente, tentar corrigir o caráter “parcial” da dedução do articulista, esclareço que o profeta não o declarou com o objetivo de indicar apenas os benefícios da palavra ao homem. Ao utilizá-lo neste sentido, o teólogo equivocou-se, ou, no mínimo, foi otimista em sua conclusão, pois o verso não alude aos resultados de uma conversão em massa, de uma resposta sempre positiva do homem em relação à palavra.
Vamos andar mais um pouco.
Muitos utilizam-no como prova da eficácia da anunciação do Evangelho, no sentido de que, quanto mais for proclamado, mais pessoas se converterão, mais benefícios serão agregados à vida do homem. Para eles há uma progressão aritmética, uma relação proporcional que indicará a capacidade de se produzir resultados numéricos de salvos, e de bênçãos aos salvos, à medida que a palavra for proclamada. Como uma fórmula mágica, basta aplicá-la para que os seus efeitos proveitosos sejam alcançados pelos homens.
Veja bem, não duvido das conseqüências práticas da pregação do Evangelho, o qual “é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” [Rm 1.16], pois, como “invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas” [Rm 10.14-15].
Portanto esta é a única forma do homem ser salvo e conhecer a Deus. Não há outro método estabelecido. Nem mesmo a música como muitos apregoam (a menos que seja com extensos trechos bíblicos, como os Salmos,). Nem mesmo o teatro, como outros querem (a menos que seja com extensos trechos bíblicos, talvez, um monólogo). Nem o cinema (a menos que seja mais auditivo do que visual). Nem mesmo um discurso (a menos que seja impregnado por extensas citações bíblicas). Quanto à dança e outras manifestações artísticas, nem é preciso falar da completa ineficâcia como meio de evangelismo [1]. O poder de Deus está na palavra, e ela é o único meio de se proclamar a verdade. Porém, a pregação nem sempre trará frutos de obediência e reconciliação com Deus. O que vale dizer que nem todos aqueles que ouvirem o Evangelho se arrependerão, serão regenerados e salvos pelo poder de Deus, porque o Senhor “cegou-lhes os olhos, e endureceu-lhes o coração, a fim de que não vejam com os olhos, e compreendam no coração, e se convertam, e eu os cure” [Jo 12.40].
Ora, não é assim que o profeta Isaías declarou? “Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do Senhor?” [Is 53.1].
O fato é que Isaías 55.11 está a falar muito mais do que a maioria quer ouvir. Ele está a nos dizer que a palavra de Deus jamais, nunca, voltará vazia. Mas em que sentido? Apenas no sentido positivo? Referindo-se à salvação dos incrédulos, ou aos benefícios de santificação, convencimento, instrução e ensino dos mandamentos e da vontade de Deus? Não. Há os efeitos negativos da palavra (em relação ao destino final do homem), a qual também será proclamada para tornar inescusável o réprobo, para condená-lo em sua rebeldia, para julgá-lo por suas transgressões.
O erro está em se ver apenas um lado da moeda, e recusar-se a virá-la e vislumbrar a outra face. Essa é mais uma influência do humanismo que distorce e compromete o entendimento pleno do texto bíblico, deixando a mensagem capenga, fragmentada, em que um dos significados é tornado superior, ao ponto em que o outro não pode ser visto ou simplesmente é ignorado. Da mesma forma, a interpretação equivocada resultará no entendimento limitado de Deus e Sua obra, no desmerecimento, ainda que inconsciente, da Sua vontade e propósito.
Não reconhecer o caráter condenatório da palavra é fazer “vistas-grossas” à obra perfeita, acabada, irretocável de Deus, por negligência, ignorância ou malversação da Escritura. Em muitos casos, pode ser sinal de incredulidade também. Por isso Cristo alertou-nos, incisiva e claramente, para o distintivo absoluto da palavra: “Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia” [Jo 12.48].
O mesmo equívoco é encontrado em João 3.16. Tem-se a falsa idéia de que Cristo morreu por todos os homens indistintamente, e que depende exclusivamente desse homem aceitá-lO ou não como Salvador. É um arroubo de pretensão. Como se Deus estivesse preso à vontade de Suas criaturas. Mas quase ninguém se apercebe de que, dois versículos abaixo, está escrito: “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus”. O verbo crê e o substantivo condenado ligam-se diretamente no verso. Implicando que a condenação daquele que não crê não está no futuro, mas aconteceu no passado. O advérbio já revela que a condenação ocorreu de antemão, previamente, não é algo que ainda ocorrerá, nem algo que o ímpio poderá reverter, mas algo inevitável, que foi preparado antecipadamente. O objetivo deste texto não é discutir a eleição, mas afirmar a dupla mensagem do Evangelho, o qual é suficiente para salvar, e igualmente suficiente para condenar.
É verdade que a palavra sem fé não produzirá obediência, regeneração e salvação, antes confirmará a reprovação daquele que jamais será vivificado pelo Espírito Santo. É o que se pode perceber no dizer de Paulo: “Porque também a nós foram pregadas as boas novas, como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram” [Hb 4.2] [2]. De forma que a palavra da verdade produz frutos para a salvação, por Jesus Cristo nosso Senhor, no qual fomos selados pelo Espírito Santo da promessa [Ef 1.13]. Assim, seja para a vida, seja para a morte, a palavra do Senhor jamais voltará vazia.
Há ainda os que vão mais além, e dizem que o versículo refere-se à necessidade de se agarrar à palavra, algo mais ou menos parecido ao termo neopentecostal “tomar posse”, e, assim, ela produzirá, em nossas vidas, uma profusão de bens materiais nunca imaginados, e não voltará vazia mesmo, pois encherá os bolsos, bolsas, sacolas, cofres e os recipientes necessários para satisfazer a sanha carnal, na obscenidade dos deleites pecaminosos de seus proponentes.
Bem, quanto a essa (im)possibilidade, recuso-me a comentá-la, tendo-se em vista o seu nítido caráter corrompido, sua antibiblicidade e lógica maligna. Não passa de mais uma artimanha, um subterfúgio para satisfazer a ganância e a vaidade de quem assim pensa. Por isso é fácil concluir que essa não é a palavra divina, nem nunca foi, mas apenas o maldito vocábulo humano que levará o homem à destruição.
Isto não quer dizer que a música, a literatura, a pintura, a escultura e outras expressões artísticas, não sejam meios de louvor, adoração a Deus, e a proclamação das verdades bíblicas. Elas são. E cumprem o propósito eterno de Deus de ser glorificado por elas. Contudo, não creio que sejam meios pelos quais o Senhor quis se revelar e à Sua obra. Para isso, homens inspirados pelo Espírito Santo escreveram 66 livros santos, que compõem a Bíblia Sagrada, a infalível, inerrante e divina palavra de Deus. A despeito dos argumentos dos estudiosos e da maioria das mentes cristãs, resisto bravamente ceder à idéia do anonimato de Hebreus. Como estou convencido de que a sua autoria seja paulina, e na minha Bíblia ACF consta que Paulo é o seu remetente, até que me provem o contrário, continuarei a indicá-lo como o autor.

A MELHOR IDEIA DE DEUS.

cropped-392516_204159513048526_1939612229_n-cc3b3pia 943012_305987666199043_1571821504_n 734137_243782312419579_1901163215_n 644336_204027913061686_1882184744_n 602802_244151065716037_432267227_n 602563_188697837928027_225536568_n 601881_305987792865697_762814840_n (1) 599578_188697177928093_856941988_n 599286_188697194594758_1365095436_n 578863_188697144594763_1559141407_n 575403_176968369100974_865303083_n 564034_176965892434555_1645969513_n 563530_176967319101079_99235053_n 563397_176964425768035_849711142_n 559022_226252117505932_829359163_n 558399_188698544594623_530039922_n 557495_243781332419677_731083155_n 557396_188697624594715_1894350743_n 553666_176959999101811_789351733_n 553647_189793007818510_232103874_n 549137_189793154485162_632333482_n 549138_188696961261448_151739093_n 552512_188697714594706_279669670_n 553353_176969715767506_59133122_n 553359_176968459100965_93108882_n 548089_203321586465652_658015617_n 542100_245026918961785_1895878151_n 541041_176959829101828_1816470548_n 540793_243781512419659_640441365_n 537966_245038652293945_1294680929_n 535969_243781359086341_732820500_n 531642_189793107818500_558675140_n 531281_188698321261312_2107695606_n 529327_264717463659397_1534857499_n 419626_104894532975025_1318345068_n 418767_189793087818502_1223499696_n 418232_193980974066380_621424947_n 418169_243781455752998_107684755_n 409665_188698147927996_1364023672_n 408189_204045833059894_687568230_n 406597_245030162294794_376475226_n 396800_243781425753001_561660667_n 392516_204159513048526_1939612229_n 378236_193976137400197_117846538_n 321357_305989906198819_1117943275_n 310063_306805586117251_1222216545_n 304406_203515906446220_1189114299_n 200484_245037815627362_1668243973_n - Cópia - Cópia 163387_243293052468505_1174857712_n - Cópia - Cópia 72777_290620031069140_1794698613_n - Cópia - Cópia 68654_244151375716006_1695707900_n - Cópia - Cópia 44521_219519841512493_61770443_n - Cópia - Cópia 24462_243293589135118_1757867788_n - Cópia - Cópia 13663_245025065628637_501293109_n - Cópia - Cópia 12556_245038052294005_329424111_n - Cópia - Cópia 8055_176968202434324_61982772_n - Cópia - Cópia 6107_243781212419689_1209419530_n - Cópia - Cópia 558887_302113063233945_702868285_n 44521_219519841512493_61770443_nA MELHOR IDEIA DE DEUS.

Eu te amarei, ó SENHOR, fortaleza minha.
O SENHOR é o meu rochedo, e o meu lugar forte, e o meu libertador; o meu Deus, a minha fortaleza, em quem confio; o meu escudo, a força da minha salvação, e o meu alto refúgio.
Invocarei o nome do SENHOR, que é digno de louvor, e ficarei livre dos meus inimigos.
Tristezas de morte me cercaram, e torrentes de impiedade me assombraram.
Tristezas do inferno me cingiram, laços de morte me surpreenderam.
Na angústia invoquei ao SENHOR, e clamei ao meu Deus; desde o seu templo ouviu a minha voz, aos seus ouvidos chegou o meu clamor perante a sua face.
Então a terra se abalou e tremeu; e os fundamentos dos montes também se moveram e se abalaram, porquanto se indignou.
Das suas narinas subiu fumaça, e da sua boca saiu fogo que consumia; carvões se acenderam dele.
Abaixou os céus, e desceu, e a escuridão estava debaixo de seus pés.
E montou num querubim, e voou; sim, voou sobre as asas do vento.
Fez das trevas o seu lugar oculto; o pavilhão que o cercava era a escuridão das águas e as nuvens dos céus.
Ao resplendor da sua presença as nuvens se espalharam, e a saraiva e as brasas de fogo.
E o SENHOR trovejou nos céus, o Altíssimo levantou a sua voz; e houve saraiva e brasas de fogo.
Mandou as suas setas, e as espalhou; multiplicou raios, e os desbaratou.
Então foram vistas as profundezas das águas, e foram descobertos os fundamentos do mundo, pela tua repreensão, SENHOR, ao sopro das tuas narinas.
Enviou desde o alto, e me tomou; tirou-me das muitas águas.
Livrou-me do meu inimigo forte e dos que me odiavam, pois eram mais poderosos do que eu.
Surpreenderam-me no dia da minha calamidade; mas o SENHOR foi o meu amparo.
Trouxe-me para um lugar espaçoso; livrou-me, porque tinha prazer em mim.
Recompensou-me o SENHOR conforme a minha justiça, retribuiu-me conforme a pureza das minhas mãos.
Porque guardei os caminhos do SENHOR, e não me apartei impiamente do meu Deus.
Porque todos os seus juízos estavam diante de mim, e não rejeitei os seus estatutos.
Também fui sincero perante ele, e me guardei da minha iniqüidade.
Assim que retribuiu-me o SENHOR conforme a minha justiça, conforme a pureza de minhas mãos perante os seus olhos.
Com o benigno te mostrarás benigno; e com o homem sincero te mostrarás sincero;
Com o puro te mostrarás puro; e com o perverso te mostrarás indomável.
Porque tu livrarás o povo aflito, e abaterás os olhos altivos.
Porque tu acenderás a minha candeia; o SENHOR meu Deus iluminará as minhas trevas.
Porque contigo entrei pelo meio duma tropa, com o meu Deus saltei uma muralha.
O caminho de Deus é perfeito; a palavra do SENHOR é provada; é um escudo para todos os que nele confiam.
Porque quem é Deus senão o SENHOR? E quem é rochedo senão o nosso Deus?
Deus é o que me cinge de força e aperfeiçoa o meu caminho.
Faz os meus pés como os das cervas, e põe-me nas minhas alturas.
Ensina as minhas mãos para a guerra, de sorte que os meus braços quebraram um arco de cobre.
Também me deste o escudo da tua salvação; a tua mão direita me susteve, e a tua mansidão me engrandeceu.
Alargaste os meus passos debaixo de mim, de maneira que os meus artelhos não vacilaram.
Persegui os meus inimigos, e os alcancei; não voltei senão depois de os ter consumido.
Atravessei-os de sorte que não se puderam levantar; caíram debaixo dos meus pés.
Pois me cingiste de força para a peleja; fizeste abater debaixo de mim aqueles que contra mim se levantaram.
Deste-me também o pescoço dos meus inimigos para que eu pudesse destruir os que me odeiam.
Clamaram, mas não houve quem os livrasse; até ao SENHOR, mas ele não lhes respondeu.
Então os esmiucei como o pó diante do vento; deitei-os fora como a lama das ruas.
Livraste-me das contendas do povo, e me fizeste cabeça dos gentios; um povo que não conheci me servirá.
Em ouvindo a minha voz, me obedecerão; os estranhos se sub-meterão a mim.
Os estranhos descairão, e terão medo nos seus esconderijos.
O SENHOR vive; e bendito seja o meu rochedo, e exaltado seja o Deus da minha salvação.
É Deus que me vinga inteiramente, e sujeita os povos debaixo de mim;
O que me livra de meus inimigos; sim, tu me exaltas sobre os que se levantam contra mim, tu me livras do homem violento.
Assim que, ó SENHOR, te louvarei entre os gentios, e cantarei louvores ao teu nome,
Pois engrandece a salvação do seu rei, e usa de benignidade com o seu ungido, com Davi, e com a sua semente para sempre.
Salmos 18:1-50

LEIA A BÍBLIA

ImagemBem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores.
Antes tem o seu prazer na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite.
Pois será como a árvore plantada junto a ribeiros de águas, a qual dá o seu fruto no seu tempo; as suas folhas não cairão, e tudo quanto fizer prosperará.
Não são assim os ímpios; mas são como a moinha que o vento espalha.
Por isso os ímpios não subsistirão no juízo, nem os pecadores na congregação dos justos.
Porque o SENHOR conhece o caminho dos justos; porém o caminho dos ímpios perecerá. 
Salmos 1:1-6

A IGREJA MODERNA E O EVANGELIO DE CRISTO.

“Assim será a minha palavra, que sair da minha boca; ela não voltará para mim vazia, antes fará o que me apraz, e prosperará naquilo para que a enviei” [Isaías 55.11].

ImagemDeparei-me com este versículo ao final de um texto que defendia a perspectiva de um mundo melhor no futuro, um mundo sempre a prosperar até o dia em que todos ou quase todos se converteriam a Cristo, no dizer de um teólogo. Como a referência é escatológica, e o meu objetivo não é estabelecer uma refutação à proposta de doutrina do fim dos tempos (até porque não estou habilitado a isso), mas, exclusivamente, tentar corrigir o caráter “parcial” da dedução do articulista, esclareço que o profeta não o declarou com o objetivo de indicar apenas os benefícios da palavra ao homem. Ao utilizá-lo neste sentido, o teólogo equivocou-se, ou, no mínimo, foi otimista em sua conclusão, pois o verso não alude aos resultados de uma conversão em massa, de uma resposta sempre positiva do homem em relação à palavra.
Vamos andar mais um pouco.
Muitos utilizam-no como prova da eficácia da anunciação do Evangelho, no sentido de que, quanto mais for proclamado, mais pessoas se converterão, mais benefícios serão agregados à vida do homem. Para eles há uma progressão aritmética, uma relação proporcional que indicará a capacidade de se produzir resultados numéricos de salvos, e de bênçãos aos salvos, à medida que a palavra for proclamada. Como uma fórmula mágica, basta aplicá-la para que os seus efeitos proveitosos sejam alcançados pelos homens.
Veja bem, não duvido das conseqüências práticas da pregação do Evangelho, o qual “é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” [Rm 1.16], pois, como “invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam o evangelho de paz; dos que trazem alegres novas de boas coisas” [Rm 10.14-15].
Portanto esta é a única forma do homem ser salvo e conhecer a Deus. Não há outro método estabelecido. Nem mesmo a música como muitos apregoam (a menos que seja com extensos trechos bíblicos, como os Salmos,). Nem mesmo o teatro, como outros querem (a menos que seja com extensos trechos bíblicos, talvez, um monólogo). Nem o cinema (a menos que seja mais auditivo do que visual). Nem mesmo um discurso (a menos que seja impregnado por extensas citações bíblicas). Quanto à dança e outras manifestações artísticas, nem é preciso falar da completa ineficâcia como meio de evangelismo [1]. O poder de Deus está na palavra, e ela é o único meio de se proclamar a verdade. Porém, a pregação nem sempre trará frutos de obediência e reconciliação com Deus. O que vale dizer que nem todos aqueles que ouvirem o Evangelho se arrependerão, serão regenerados e salvos pelo poder de Deus, porque o Senhor “cegou-lhes os olhos, e endureceu-lhes o coração, a fim de que não vejam com os olhos, e compreendam no coração, e se convertam, e eu os cure” [Jo 12.40].
Ora, não é assim que o profeta Isaías declarou? “Quem deu crédito à nossa pregação? E a quem se manifestou o braço do Senhor?” [Is 53.1].
O fato é que Isaías 55.11 está a falar muito mais do que a maioria quer ouvir. Ele está a nos dizer que a palavra de Deus jamais, nunca, voltará vazia. Mas em que sentido? Apenas no sentido positivo? Referindo-se à salvação dos incrédulos, ou aos benefícios de santificação, convencimento, instrução e ensino dos mandamentos e da vontade de Deus? Não. Há os efeitos negativos da palavra (em relação ao destino final do homem), a qual também será proclamada para tornar inescusável o réprobo, para condená-lo em sua rebeldia, para julgá-lo por suas transgressões.
O erro está em se ver apenas um lado da moeda, e recusar-se a virá-la e vislumbrar a outra face. Essa é mais uma influência do humanismo que distorce e compromete o entendimento pleno do texto bíblico, deixando a mensagem capenga, fragmentada, em que um dos significados é tornado superior, ao ponto em que o outro não pode ser visto ou simplesmente é ignorado. Da mesma forma, a interpretação equivocada resultará no entendimento limitado de Deus e Sua obra, no desmerecimento, ainda que inconsciente, da Sua vontade e propósito.
Não reconhecer o caráter condenatório da palavra é fazer “vistas-grossas” à obra perfeita, acabada, irretocável de Deus, por negligência, ignorância ou malversação da Escritura. Em muitos casos, pode ser sinal de incredulidade também. Por isso Cristo alertou-nos, incisiva e claramente, para o distintivo absoluto da palavra: “Quem me rejeitar a mim, e não receber as minhas palavras, já tem quem o julgue; a palavra que tenho pregado, essa o há de julgar no último dia” [Jo 12.48].
O mesmo equívoco é encontrado em João 3.16. Tem-se a falsa idéia de que Cristo morreu por todos os homens indistintamente, e que depende exclusivamente desse homem aceitá-lO ou não como Salvador. É um arroubo de pretensão. Como se Deus estivesse preso à vontade de Suas criaturas. Mas quase ninguém se apercebe de que, dois versículos abaixo, está escrito: “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus”. O verbo crê e o substantivo condenado ligam-se diretamente no verso. Implicando que a condenação daquele que não crê não está no futuro, mas aconteceu no passado. O advérbio já revela que a condenação ocorreu de antemão, previamente, não é algo que ainda ocorrerá, nem algo que o ímpio poderá reverter, mas algo inevitável, que foi preparado antecipadamente. O objetivo deste texto não é discutir a eleição, mas afirmar a dupla mensagem do Evangelho, o qual é suficiente para salvar, e igualmente suficiente para condenar.
É verdade que a palavra sem fé não produzirá obediência, regeneração e salvação, antes confirmará a reprovação daquele que jamais será vivificado pelo Espírito Santo. É o que se pode perceber no dizer de Paulo: “Porque também a nós foram pregadas as boas novas, como a eles, mas a palavra da pregação nada lhes aproveitou, porquanto não estava misturada com a fé naqueles que a ouviram” [Hb 4.2] [2]. De forma que a palavra da verdade produz frutos para a salvação, por Jesus Cristo nosso Senhor, no qual fomos selados pelo Espírito Santo da promessa [Ef 1.13]. Assim, seja para a vida, seja para a morte, a palavra do Senhor jamais voltará vazia.
Há ainda os que vão mais além, e dizem que o versículo refere-se à necessidade de se agarrar à palavra, algo mais ou menos parecido ao termo neopentecostal “tomar posse”, e, assim, ela produzirá, em nossas vidas, uma profusão de bens materiais nunca imaginados, e não voltará vazia mesmo, pois encherá os bolsos, bolsas, sacolas, cofres e os recipientes necessários para satisfazer a sanha carnal, na obscenidade dos deleites pecaminosos de seus proponentes.
Bem, quanto a essa (im)possibilidade, recuso-me a comentá-la, tendo-se em vista o seu nítido caráter corrompido, sua antibiblicidade e lógica maligna. Não passa de mais uma artimanha, um subterfúgio para satisfazer a ganância e a vaidade de quem assim pensa. Por isso é fácil concluir que essa não é a palavra divina, nem nunca foi, mas apenas o maldito vocábulo humano que levará o homem à destruição.
Isto não quer dizer que a música, a literatura, a pintura, a escultura e outras expressões artísticas, não sejam meios de louvor, adoração a Deus, e a proclamação das verdades bíblicas. Elas são. E cumprem o propósito eterno de Deus de ser glorificado por elas. Contudo, não creio que sejam meios pelos quais o Senhor quis se revelar e à Sua obra. Para isso, homens inspirados pelo Espírito Santo escreveram 66 livros santos, que compõem a Bíblia Sagrada, a infalível, inerrante e divina palavra de Deus. A despeito dos argumentos dos estudiosos e da maioria das mentes cristãs, resisto bravamente ceder à idéia do anonimato de Hebreus. Como estou convencido de que a sua autoria seja paulina, e na minha Bíblia ACF consta que Paulo é o seu remetente, até que me provem o contrário, continuarei a indicá-lo como o autor.

 

FARTEI-ME…

ImagemE Jesus, respondendo, disse: O geração incrédula e perversa! até quando estarei ainda convosco e vos sofrerei? . Lucas 9:4I

Estou cansado desses obreiros da iniquidade que comem o meu povo como se fossem pão…
Estou cansado dessa febre de televangelistas amantes de si mesmos…
Estou cansado de tantos escândalos que mancham o Santo Evangelho de Cristo…
Estou cansado dos sincretismos, do sal grosso, das rosas vermelhas, dos sabonetes ungidos, das “águas do jordão”, dos “óleos de Israel”…
Estou cansado dos falsos apóstolos, dos falsos profetas, dos falsos evangelistas, dos falsos pastores, dos falsos mestres…
E como sei que são falsos? “Pelo fruto conhecereis a árvore” disse o meu Senhor…
Estou cansado dessa massa que se diz evangélica mas que não vive o evangelho…
Estou cansado dos protestantes que não protestam…
Estou cansado dos mercadores da fé… Estou cansado dos campanheiros… Estou cansado das “grandes” instituições…
Estou cansado do prejuízo que tudo isso tem trazido aos santos, ao evangelismo e ao testemunho de Cristo…
Estou cansado dos chavões dos pregadores…
Estou cansado do “vale-tudo” dentro das igrejas para atrair pessoas… Estou cansado da irreverência no templo…
Estou cansado da falta de poder no altar…
Estou cansado do desprezo à Palavra… Estou cansado de todos os “ídolos” gospel…Estou cansado das bandas, dos cantores e de todos esses shows-business cujo único propósito é mover os milhões da indústria fonográfica evangélica…
Estou cansado da hipocrisia, do farisaismo e da infidelidade de muitos…
Já não há alegria no meu coração, pois sinto a necessidade, a urgência e a eminência da intervenção divina.
Clamo para que o Espírito do Senhor se manifeste poderosamente e ponha um basta neste circo, no qual está se tornando o movimento evangélico no Brasil.
Não me conformo com as aberrações em nome da fé, com os absurdos em nome da unção e com as zombarias em nome da “alegria”.
Desejo que o Senhor nos desperte, abra os nossos olhos e nos traga para o centro de sua vontade. Que renasça o propósito original do Evangelho… Que retornemos aos fundamentos da fé cristã… Que voltemos a abraçar a simplicidade, a modestia e a humildade…
Que todo este cansaço, no qual se encontram todos aqueles que sinceramente suspiram por Deus, se converta em vigor…
E sei que se converterá, pois disse meu Senhor: “Bem-aventurado aqueles que têm fome e sede de justiça, pois eles serão fartos.” Me farte Senhor, me